quarta-feira, 10 de março de 2010

Resenha Crítica: O Desejo de Lilith, por Tim Marvim

O Desejo de Lilith

Ademir Pascale - Editora Draco - 2010

* * * * *

Acaba de chegar às livrarias o romance O Desejo de Lilith, do escritor paulista Ademir Pascale. Para quem gosta de thrillers repletos de suspense e elementos sobrenaturais, não há melhor pedida, pois o livro é extremamente cativante e prende a atenção do leitor da primeira à última página. Embora este seja o romance de estréia do autor, temos a impressão de que estamos diante de um veterano das letras, tamanho é o seu domínio da técnica do romance. Escritor seguro, dono de um estilo admirável, Ademir Pascale demonstra todo o seu talento nesta pequena obra-prima, escrita numa linguagem acessível a toda gente.

A história inicia-se na cidade de Hortolândia, onde o detetive Rafael Monte Cerquillo começa a investigar o misterioso suicídio de um certo Jacinto Rodrigues, que escreve regularmente no jornal O Diário da Região uma estranha novela intitulada Death of the Soul, sob o pseudônimo de Mr. Sheol. Este suicídio é o ponto de partida para a trama, que se desenrola de maneira instigante e natural. Vindo morar em São Paulo, o protagonista acaba descobrindo que a palavra Sheol aparece 63 vezes na Bíblia, com diversos significados diferentes, como “sepulcro, enterrado, sepultura, mundo invisível, habitação dos mortos, abismo e morte”. Porém, o significado mais importante, Rafael Monte Cerquillo desvendará ao ler as anotações do Dr. Murial Sante, que também se suicidará de maneira misteriosa. Tal significado é imprescindível para o desenvolvimento do romance e liga-se a um segredo milenar, uma conspiração que põe em risco toda a humanidade. Aqui, o autor faz uma nova leitura do mito da Criação, deitando um olhar bastante inovador ao início do texto do Gênesis. Caim não seria filho de Adão e Eva, mas de outras entidades, chamadas Samael e Lilith. É possível que esta idéia provoque alguma polêmica entre as pessoas mais conservadoras, que seguem à risca o texto canônico. Todavia, Ademir Pascale conduz sua hipótese de maneira tão engenhosa e criativa, que não deixa dúvida alguma de sua verossimilhança e o leitor fica convencido de que ela poderia ter acontecido da maneira como é narrada no romance.

Livro muito original, tanto na forma (apresenta-se como um diário escrito por Rafael Monte Cerquillo), quanto na abordagem do assunto, rico em citações literárias e históricas que dão maior coerência interna à obra, O Desejo de Lilith de Ademir Pascale não fica devendo nada para romances mais famosos, como Anjos e Demônios de Dan Brown.

Tim Marvim

Autor de 666 – Caçadores de Demônios

2 comentários:

  1. Legal Ademir! Deu mais vontade de ler ainda. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir